expr:content='data:blog.isMobile ? "width=device-width,initial-scale=1.0,minimum-scale=1.0,maximum-scale=1.0" : "width=1100"' name='viewport'/> Cineasta Luiz Rangel: Outubro 2011

domingo, 23 de outubro de 2011

Acerto de Contas e Outras Histórias - DVD, Canal Brasil e Alguns Prêmios

Poster Oficial do DVD Acerto de Contas e Outras Histórias

No ano de 2001, durante um surto de criação em uma madrugada solitária, me sentei a frente do computador e escrevi um conto (nunca escrevo roteiros, sempre escrevo contos e filmo os contos), quando parei de escrever e fui ler atentamente o que eu havia escrito e fiquei me perguntando de onde havia surgido aquela história, até então sem titulo e com final alternativo.

Ensaio na Residencia de Luciano Szafir no Rio de Janeiro

Este conto ficou guardado na gaveta durante cinco anos, quando no ano de 2006 tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o ator Luciano Szafir no 34° Festival de Cinema de Gramado e em uma conversa muito amigavel conversamos sobre as produções de guerrilha, na hora o Szafir se interessou e pediu para que eu remetesse por e-mail a ele alguns roteiros que eu tivesse em mente para produzir. Lógico que no mesmo dia eu remeti, a correria estava grande, era o ano em que estava presente no festival com 7 filmes, sendo 6 em 16mm e um em 35mm, sendo destes sete um concorrente em mostra nacional, em virtude disso resolvi de imediato na hora que cheguei no hotel, postar o e-mail com as estórias escritas por mim.





Entrevista Para a UCS TV Durante O Festival de Cinema Com Depoimento de Luciano Szafir

Bom, esse encontro com o Szafir foi em Agosto de 2006, antes de Setembro de 2006 eu já tinha ido ao Rio ensaiar o filme e antes do fim de Outubro do mesmo ano, já estavamos em Gramado rodando o Acerto de Contas (você deve estar se perguntando de onde veio o Acerto de Contas, lembra daquele conto que escrevi em 2001 numa noite solitária? Sim, esse mesmo). Tivemos apenas dois dias para rodar o filme, pouco dinheiro e muita força de vontade.

Todo o Armamento Utilizado No Filme Foi Cedido Pelo CTTE

Coletiva de Imprensa No Hotel Estrelas da Serra, Onde Eu e Luciano Szafir Recebemos em Homenagem a Medalha Galgo de Ouro

Medalha Galdo de Ouro

A atenção e apoio que recebemos de toda comunidade gramadense foi o que tornou possivel se vencer está primeira etapa do filme. Horas antes do Szafir ter que retornar ao Rio para gravar na época a novela Vidas Opostas da Tv Record, estavamos terminando de filmar o ultimo take.

Ultima Tomada do Filme Acerto de Contas de Luiz Rangel

Por mais que houvesse envolvimento e empenho de toda a equipe envolvida, o trabalho não foi facil, muito pelo contrario, eu tinha ainda que vencer a segunda etapa do filme que era ter que finalizar em 35mm e foi aí que o bicho pegou, pois na época só a finalização do filme foi orçada em R$ 45 mil reais, sabem o que fiz?
Peguei empréstimo, vendi algumas coisas, fiz trabalhos extras e resumindo acabei de pagar o filme em 2009, sabe o pior de tudo? Faria tudo novamente, pois o resultado alcançado e alegria constante que este trabalho me traz até hoje é incalculavel.

Exibição do Filme Acerto de Contas do 35º Festival de Cinema de Gramado





Exibição do Filme Acerto de Contas Hours Concours no Palácio dos Festivais

Prêmio José Lewgoy Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Premio José Lewgoy de Cinema Gaúcho Entregue Pela Secretária de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul





Entrevista Sobre o Prêmio de Cinema Gaúcho Concebido Pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Luiz Rangel II A Continuidade do Meu Trabalho

Ganhador de Dois Prêmios Web TV Banana

Melhor Filme Juri Popular e Trceiro Lugar Juri Técnico

Não bastando tantas alegrias e reconhecimentos, o filme foi lançado em DVD pela Amazonas Filmes e adquirido pelo Canal Brasil em 2009, desde então integra seu acervo.

Nelson Xavier Prestigiando o Lançamento do DVD Acerto de Contas e Outras Histórias

Capa do DVD Acerto de Contas e Outras Histórias Lançado Pela Amazonas Filmes

E graças ao apoio e indicação do Mestre Carlo Mossy o Acerto de Contas está no Canal Brasil

Se quiser dar uma conferida, segue o filme





Acerto de Contas Integra a Programação do Canal Brasil

Adversidades Ocorridas:



Um forte abraço e muito obrigado a todos,


Luiz Rangel


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Era Uma Vez em Porto Alegre (Once Upon A Time In PoA) - The Way Of Life Portoalegrense

Poster de Era Uma vez em Porto Alegre de Luiz Rangel - Produção de 2003

Era Uma Vez em Porto Alegre foi um trabalho realizado por alunos de uma de minhas oficinas ministradas em 2003. Obvio que a qualidade técnica do curta metragem é mais do que questionavel, afinal de contas era a primeira vez que eu realizava um transfer tape to filme na minha vida, para se ter uma idéia melhor o processo ocorreu da seguinte forma:

Rodei o filme em DVD em um Notebook e filmei com uma camera 16 mm a imagem que passava na tela do computador, todo mundo apostou que ia dar errado e realmente quase deu, mas no final o filme estava na tela sendo projetado em pelicula e alcançou o seu objetivo. Mas por que realizar este processo tosco de passagem de vídeo para negativo? Simples! Eu não tinha dinheiro.

O melhor de tudo é que nos anos seguintes aprimorei a técnica e não só realizei inumeros transfers para 16 e 35 mm, como também fiz isso para alguns colegas. Felizmente esta agonia acabou, agora 99% dos festivais aceitam filmes finalizados em vídeo.

Apesar de seu humor ácido, Era Uma Vez Em Porto Alegre retrata uma imagem do portoalegrense que ele se nega a ver, que é a soberba, o preconceito com as demais classes sociais, questões raciais e o pseudo status que faz com que muitos devam o bar da esquina, mas andem de carro zero (carro este em ação revisional de juros). Isso não faz do portoalegrense um ser unico, muito pelo contrário, esta é uma caracteristica de toda metrópole no Brasil e no mundo, que nada mais é do que a indifereça com seu semelhante, o "se vale quanto se tem", ter um iso em sua empresa é sinonimo de que não precisa atender bem seus clientes e manter aparencias é o mais importante de tudo.

Entrevista Sobre o Curta Metragem Era Uma Vez em Porto Alegre:


Entrevista Para o Programa Curta PUC Primeiro Bloco


Entrevista Para o Programa Curta PUC Segundo Bloco

Quero deixar claro que quando me refiro a "portoalegrense" me refiro a alguns individuos que cederam ao sistema e jamais quero generalizar o povo gaúcho, povo este que por sua vez tem um carater exemplar e sabe muito bem dar valor as relações humanas.

E só para constar, é claro não poderia deixar de ser, o curta é baseado em fatos reais vividos por mim e por pessoas de meu convivio.

Bom Filme:



Um forte abraço,

Luiz Rangel


quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Direito de Defesa - Se Defender de Quem?

Poster Do Documentário Direito de Defesa de Luiz Rangel Produzido em 2002

Em 2002 fiz o registro de um trabalho realizado no Hospital Conceição em Porto Alegre/RS, onde um grupo de profissionais de saúde mental liderados pelo psiquitra Luiz Ziegelmann realizavam um trabalho chamado "Hospital Dia", no qual a principal proposta era a inclusão e os pacientes não eram internados.

Confesso que de inicio fiquei surpreso com a proposta, pois até então eu nada havia feito do genero, me questionava por onde começar, como perguntar e como reagir perante algumas situações.


Entrevista TV Bandeirantes Programa ACONTECE

Tive a grata surpresa de encontrar pessoas puras e verdadeiras que no primeiro dia de trabalho me fizeram a seguinte pergunta: "Quem é louco? Nós ou vocês os normais?" Neste dia eu sequer liguei a camera e resolvi voltar pra casa, pois aquela pergunta me sacudiu por completo, durante a noite não consegui dormir e amanheci com a fixação na minha mente de que algo eles tinham pra nos dizer e até então nós nunca haviamos parado para escutar. Foi daí que veio o nome do documentário "Direito de Defesa", afinal nós os acusamos de serem loucos, anormais e temos a hipocrisia de nos "proteger".

Me emocionei muito durante as gravações, na minha vida foi muito gratificante e aprendi lições que aplico em minha vida e ensino para o meu filho.

Este documentario foi exibido no 30 Festival de Cinema de Gramado na bitola de 16mm.

Espero que gostem:




Um forte abraço,

Luiz Rangel





Não Existe Elenco Amador Com Um Diretor Profissional! Curta Metragem Elos de Luiz Rangel

Poster do Curta Metragem Elos de Luiz Rangel
Arte do Cartaz Gustavo Mello www.gmello.com.br

Nem sempre o "choque simplesmente pelo choque" é válido, creio eu que devemos pensar se algo por mais absurdo que possa aparentar realmente não aconteceria na vida real, acredito nisso e é o meu lado "Neo Rodriguiano".

Sempre que possivel aplico em minhas oficinas técnicas de interpretação que desenvolvem o lado obscuro do ser humano e preparam o ator para qualquer tipo de trabalho.

Ensino todas as técnicas de roteiro e construção de personagem, desta maneira conseguimos em conjunto desenvolver uma boa trama e com personagens riquissimos em detalhes, partimos para a direção de arte e sempre temos um resultado que impressiona a todos nós.

O "Elos" marcou muito por abordar questões de diversidade sexual mescladas com a violencia em uma abordagem nunca antes realizada.


Entrevista Com Alunos

A oficina foi realizada em Dezembro de 2007, tanto as aulas quanto as filmagens foram realizadas em Porto Alegre, participaram como alunas Vanessa Kober, Liege Müller, Patricia Coelho, Tatiana Hardt e Priscila Capitão, todas iniciantes no cinema e com pouca experiencia anterior em atuação, é importante vermos o desempenho maravilhoso nos ensaios e no filme.


Um Dos Ensaios da Oficina, Demais Ensaios Disponiveis em www.youtube.com/cinebr

O resultado como sempre se é de esperar é um bom filme, daqueles que marcam e ficam pra história, isso mais uma vez aconteceu com o Curta Metragem "Elos" que em sua temática aborda assuntos fortes e que mexem com a mente das pessoas.

O "Elos" abriu a 1ª Mostra AGAUVI e foi aplaudido de pé por todos que estavam na sala de projeção. As atrizes que dele fizeram parte (de todas foi o primeiro trabalho para o cinema) seguiram o caminho em frente.

Liege Müller Em Seu Primeiro Trabalho Como Aluna De Luiz Rangel, Hoje Liege Está Na TV Record

Neste trabalho tive como colaborador nas aulas o ator André Mauro e pude contar com ele na assistencia de direção.

Bom filme:



Um forte abraço,

Luiz Rangel

Apelo Popular é Sempre Um Choque Intelectual!

Poster do Média Metragem Herança de Luiz Rangel

No ano de 2002 em meados de Outubro, juntamente com atores provenientes do teatro, roteirizei, produzi e dirigi o Média Metragem Herança.

Eu recem estava na minha carreira de diretor cinematográfico com meu terceiro filme (sendo que conheço diretores que possuem mais de 20 anos de carreira com um unico filme) e tendo o grande defeito que tenho da autocritica, comecei a me questionar sobre formatos e linguagens, foi aí que que o "Herança" nasceu.

Tendo o unico compromisso de estar descompromissado, soltei as rédeas e deixei que o filme tomasse vida própria, o resultado foi que o cinema na exibição do filme ficou chocado e sem saber opinar sobre o trabalho. Isso foi bom?

Não sei, pois até hoje nem eu mesmo consigo ter uma opinião definitiva sobre este filme. Não sei se ele é bom ou se ele é ruim, apenas sei que não me arrependo de te-lo feito e muito menos possuo motivos para esconde-lo. Acredito que um profissional deva assumir em sua vida todos os seus erros e seus acertos e deixo o julgamento para quem sempre me julgou de forma justa, o publico.

Resumidamente "Herança" é o filme que os colegas normalmente odeiam e que o publico comum adora, se é pelo apelo intelectual eu errei feio, mas se é para fazer cinema para quem realmente sabe apreciar, acredito que eu tenha acertado.

A linguagem do filme é 100% brasileira, mais uma vez foi feito quase sem recursos, quase fui preso durante as filmagens (isso já me aconteceu duas vezes) e foi definitivamente um parto para finalizar este filme em 16mm e te-lo na tela do festival, para se ter uma idéia na época finalizei em Nova York em uma empresa chamada Magno Sound (para piorar a nossa Alfandega na época esta em greve) e com muito custo ele chegou a tela.

Entrevista fornecida em 2005 sobre outros filmes e o filme Herança:



Em suma um trabalho limpo, sem mentiras e honesto se resume nisso, ser mostrado mesmo quando seu próprio realizador não morre de amores por ele.

Quem sabe algum dia eu o assista novamente e diga: "Amo o resultado deste filme", mas por enquanto me contento em ouvir do proprio publico que ele é bom.

Entrevista concedida a TV Assembléia/RS em 2003:



Agora deixo que vocês mesmos façam o seu julgamento sobre a obra:



Um forte abraço a todos,

Luiz Rangel


quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Quando é Que "Ninguém" Se Torna "Alguém"?


Poster do Filme "Ninguém", Primeiro Filme de Luiz Rangel Como Diretor, Estreou no 30° Festival de Gramado


Era o ano de 2001, eu me encontrava nesta época morando sozinho em Porto Alegre, tinha apenas três anos de moradia no Rio Grande do Sul e tirando as pessoas do meu convivio profissional eu era muito sozinho e sem amigos no Estado (é dificil se fazer amigos no Rio Grande do Sul, mas quando os fazemos temos amigos para o resto da vida), neste ponto da minha vida eu já havia produzido imuneros filmes para outros colegas, alguns para cursos de atores, outros para diretores iniciantes e a maioria para diretores veteranos e todos me cobravam se eu não iria produzir e dirigir um filme meu e a minha resposta era sempre a mesma: "Um dia eu faço"

Bom, este dia chegou e decidi que iria faze-lo, sendo assim o fiz e o filme foi o curta metragem "Ninguém" que teve sua estréia no 30° Festival de Cinema de Gramado, claro que tendo o temperamento que eu tenho, ingressei na época com dois filmes.

Nem preciso dizer que como todo nascimento a produção deste filme foi um misto de felicidade e tristeza, felicidade pelo fato de algo ter se iniciado e tristeza por poder ver em outro posicionamento o quão mesquinho é o meio audiovisual se enxergando pela ótica da direção, o quão é doloroso ser julgado por pessoas que entendem tudo de cinema sem nunca terem feito um unico filme, o quão é chato ver um colega ser cumprimentado e profetizado por alguém do festival e já ser avisado que a noite ele será premiado (detalhe: antes da exibição do filme), quão é triste a fogueira de vaidade que arde e esquece o verdadeiro intuito de se fazer arte, que é tocar a consciencia do publico, ao invés disso vemos a distribuição desvairada de prêmios dados a cartas marcadas e figuras tarimbadas do meio, na minha opinião vergonhoso.

Quero deixar aqui registrado que já fui jurado de diversos festivais e sempre briguei e lutei (consegui todas as vezes) que os premios fossem dados para os verdadeiros merecedores, estranho que ninguém me chama mais para ser jurado, interessante né? Faz parte.

Retornando ao assunto:

Mesmo o "Ninguém" sendo um filme que esboça um desabafo sobre a solidão, ao contrário de muitos outros filmes que se criam em argumentos de sábios da Europa Oriental do Século XI, mesmo ele sendo um filme feito com suor , recursos próprios e precupado com o espectador, ao contrário de obras que são feitas com dinheiro público e se preocupam apenas com o ego de seus realizadores, o filme na época foi ignorado e até mesmo eu acreditei que ele ficou no esquecimento, triste isso não é verdade?

Mas é aí que está a grande surpresa da vida, o "Ninguém" hoje virou um Cult Movie e é sempre comentado, me surpreendendo e surpreendendo a todos que nele estiveram envolvidos.

O filme na época foi feito com recursos próprios (vendi meu carro, fiquei quase um ano a pé), as locações utilizadas eram as dependencias da própria produtora e a atriz era uma atriz iniciante que felizmente após este trabalho pode ingressar no meio e realizar bons trabalhos.

Hoje tenho a felicidade em dizer que "Ninguém" virou "Alguém" e que muito do que hoje acontece se deve ao fato dele ter nascido.

Bom Filme:


Entrevista na TV Bandeirantes Sobre o Filme:



Um abraço,


Luiz Rangel

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Uma Luz Na Escuridão - "Luz de Velas"

Locação do Filme Luz de Velas de Luiz Rangel, no Hotel Estrelas da Serra Gramado/RS

No ano de 2007 foi apresentado no 35º Festival de Cinema de Gramado o Curta Metragem Acerto de Contas, neste mesmo evento ocorreu o lançamento do DVD Acerto de Contas e Outras Histórias.


Exibição do Curta Metragem Acerto de Contas e Lançamento do DVD Acerto de Contas e Outras Histórias

Como o objetivo maior em se participar de um festival na minha opinião é viabilizar novas produções, neste ano tive o prazer de conhecer pessoalmente o ator Nelson Xavier e a atriz Via Negromonte.

Nelson Xavier, Via Negromonte e Luiz Rangel no Stand da LCR Imagem Produtora no 35 Festival de Cinema de Gramado

Com a humildade pertencente somente aos que são realmente grandes, a atriz Via Negromonte nesta ocasião conversou comigo sobre a sua carreira, sobre projetos futuros, como também assistiu a exibição do meu filme e me elogiou pelo resultado.

Via Negromonte e Luiz Rangel Conversando Sobre a Possibilidade de Um Novo Projeto

Nesse bate papo amigo e profissional começamos a analisar a possibilidade de fazermos algo juntos e meses depois lá estava eu com o roteiro do curta metragem "Luz de Velas" escrito e com uma personagem feita com a medida certa do talento da Via.

Carlo Mossy, a Aluna Vanessa Kober, Luiz Rangel e Via Negromonte em Ensaio no Rio de Janeiro

No meio do ano de 2008 fui ao Rio, onde em minha residencia realizei uma leitura de mesa do roteiro, para esta leitura eu convidei o Mestre Carlo Mossy, o meu grande colega e amigo Eduardo Dascar, a própria Via Negromonte e uma aluna minha que na época estava de mudança para o Rio.


Gravação dos Ensaios no Rio de Janeiro
Já encerramos a leitura com a data marcada para as filmagens e com as idéias fervilhantes do que iriamos imprimir na tela, só faltava agora colocar em prática.

Via Negromonte e Luiz Rangel em Jantar Após as Filmagens de "Luz de Velas"

Estavamos juntos novamente em Gramado/RS para iniciarmos o nosso trabalho, só que com um desafio imenso, tinhamos que rodar todo o filme em somente dois dias durante o Festival de Cinema de Gramado que nesta época acontecia em conjunto com o Gramado Cine Vídeo. O trabalho foi prazeroso, porém muito arduo, pois além de nossas atividades diárias no festival, tinhamos somente as madrugadas para gravarmos.

Via Negromonte e Luiz Rangel Acertando Detalhes da Cena de "Luz de Velas"

A imprensa presente no evento deu a devida atenção que a produção merecia e todos ficaram surpresos pelo fato de um roteiro tão bom, com um elenco de tanto peso não estarem contando com leis de incentivo a cultura, foi aí que Via em entrevista ao extinto JB disse: "Se nós não nos auto financiarmos, não sairemos do lugar".


Via Negromonte, Carlo Mossy, Eduardo Dascar e Luiz Rangel em Entrevista ao Jornal do Brasil

No Hotel Estrelas da Serra (que já havia dois anos antes servido de cenário para o Acerto de Contas), rodamos as cenas de Luz de Velas, toda a equipe técnica do filme se resumia a três pessoas, eu que fui responsavel pela operação de camera, roteiro, direção, fotografia e montagem, Ricardo Fagundes que auxiliou na direção de fotografia e nossa maquiadora Syl Goldman.

Foto de Todo Elenco de "Luz de Velas" Após a Ultima Tomada do Filme

O clima da filmagem estava denso, afinal de contas o roteiro era muito intenso e exigiu muito de todos, mas a harmonia entre o elenco e técnica foi o que fez tudo dar certo, trabalhos sem dinheiro e sob pressão.


Entrevista Com Todo o Elenco Concedida com Exclusividade ao Programa Plano Geral Cinema

Com a alegria de um pai que consegue ver o seu filho reconhecido, deixo disponivel aqui para todos assistirem ao nosso filme/filho "Luz de Velas"



Após terem assistido, nem preciso dizer que uma obra realizada com esta cota de sacrificio e com este resultado, encontra-se acima de qualquer critica.

Muito obrigado a todos os envolvidos e apoiadores,

Luiz Rangel



"Dora" - Amor e Sexo São a Mesma Coisa?

A Aluna Izabel Oliveira em Cena do Filme Dora de Luiz Rangel

A pergunta que nunca quer calar é se amor e sexo são a mesma coisa, há quem diga que sim e há quem diga que não, mas no resumo muitos acabam fazendo sexo somente com quem amam, ou amam porque somente fazem sexo com a mesma pessoa. Isto define alguma coisa? Acredito que não.

Luiz Rangel em Cena na Cantina Pastacciuta

A autora Carmen Moreno recebeu um prêmio internacional pelo conto "Dora" e eu tive a oportunidade de roteirizar este conto para cinema, o que rendeu foi um dos filmes mais "femininos" que realizei até hoje, o Curta Matragem Dora que é homonimo do conto.

Maquiador Ricardo Mineiro Prepara Aluna Para Entrar em Cena

Uma das satisfações maiores que tenho em meu trabalho é poder oportunizar e abrir caminho para novos nomes, por isso sempre reaproveito alunos de minhas oficinas em minhas produções sejam elas autorais ou comerciais, neste caso pude trabalhar e colocar a aluna Izabel Oliveira como co protagonista da trama.

Em Cena a Atriz Adriana Rabelo

Não querendo ser "um exército de um homem só", o Dora foi um trabalho que realizei sozinho tecnicamente, nele operei a camera, fiz a direção de fotografia, fui microfonista, fui o diretor, fui o produtor e montador, isso é dificil? Particularmente pra mim não é, pois estou acostumado a realizar filmes assim, para alguns colegas isso é humanamente, técnicamente e profissionalmente impossível e se resume sempre em sinonimo de "baixa qualidade", bem espero que assistam ao filme Dora e tirem vocês mesmos as conclusões se o filme tem ou não qualidade, pode ser?

Cena Gravada no Lago Negro em Gramado/RS

Mais uma vez tive a satisfação de rodar o filme inteiramente em Gramado/RS, isso ocorreu em 2008, foi uma produção que teve no total cinco dias, o filme todo contou com uma camera HDV, um microfone multi direcional, uma lampada e os atores Adriana Rabelo, Eduardo Dascar, Tarcisio Voira e Fabian Lipiarski e a aluna das Oficinas de Cinema e TV Luiz Rangel, Izabel Oliveira.

Há Mais de Dois Anos Dora é Sucesso na Internet

Um fator muito interessante sobre Dora é que há mais de dois anos ele é sucesso na Internet no Site Videolog, site onde é possivel assistir a outros trabalhos meus.

Agora Dora está disponivel na integra no You Tube e o coloco aqui para que seja devidamente apreciado.



Média Metragem Dora de Luiz Rangel

Elenco de Dora:

Adriana Rabelo
Eduardo Dascar
Tarcicio Voira
Fabian Lipiarski

Apresentando:

Izabel Oliveira


Um forte abraço,


Luiz Rangel

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Guerrilha é Guerra? Não! Dinheiro é Bom? Sim, porém...

Ernesto Che Guevara Bebia Coca Cola!

Guerrilha é guerra? Não, claro que não, todo mundo sabe que não, quer dizer, todo mundo que é um ser pensante, sabe que não, porém tem umas criaturinhas que se dizem intelectuais (entende-se que um intelectual é uma pessoa que usa o seu "intelecto" para estudar, reflectir ou especular acerca de idéias, de modo que este uso do seu intelecto possua uma relevância social e coletiva. A definição do intelectual é realizada, principalmente, por outros intelectuais e acadêmicos. Estes definem o termo segundo seus próprios posicionamentos intelectuais, fato este que complexifica a definição. Autores como Bobbio e Lévy concordam com um aspecto em comum: o intelectual é definido pelo meio social no qual vive ou no qual estabelece sua trajetória social), putz deu trabalho, mas é melhor escrever e ler tudo isso (com os devidos links do Wikipedia) para evitar que uma galera que existe por aí e só porque sabem algumas letras de músicas em inglês, conhecem nomes de dois diretores europeus e estão engajados na luta em prol da maconha, gostam de serem chamados de intectuais e é exatamente esta galerinha que me refiro carinhosamente neste post. Escrevo somente para esclarecer que nomes são utilizados muitas vezes de formas afetivas e que com o passar do tempo os mesmos mudam seus significados, querem um exemplo? Pois bem, aí vai:

Moreira da Silva, Simbolo Mor da Malandragem Carioca

Nos anos de 1920, no Rio de Janeiro o nome malandro era dado a todo sujeito inteligente, sagaz e que sabia levar a vida em alto astral, o malandro era o cara que trabalhava de dia,jogava a sua sinuca no happy hour e a noite chegava tarde em casa e apanhava da mulher, pois tinha ido pra gafieira dançar - esse era o malandro. Hoje todos sabemos que chamar alguém de malandro é uma ofensa e o termo é utilizado para denominar tudo o que é relacionado a bandidagem, vadiagem e outras coisas que se assemelham.

Guerrilha de Guerrilheiros Não Tem Nada A Ver Com Cinema de Guerrilha

A mesma coisa ocorre com o termo "guerrilha", que se resume única e exclusivamente em vencer uma guerra com poucos recursos, onde tem que se lutar de igual para igual com quem possui mais armas, mais contingente e mais institucionalidade, ou seja, o que aparenta ser impossivel se torna possivel graças a estratégia, a inteligencia e ideologia, pois todos sabemos que em um exercito convencional soldados lutam porque recebem ordens; em uma guerrilha não, se luta porque se acredita pelo o que se está lutando. Não vou entrar no mérito se sou a favor ou não de guerras, batalhas e guerrilhas, a unica coisa que me reservo o direito de comentar é que se não houvessem os heróis, os covardes não teriam onde existir, por isso acho muita graça quando um pseudo pacifista afirma odiar heróis e guerreiros, me pergunto: O que seria da paz mundial se dependesse desse pacifista? Esperariamos o Apocalipse?
Fala sério!
É aí que o caldo começa a engrossar, afinal de contas o termo guerrilha começa a ser identificado com tudo que é feito abaixo de poucos recursos (as vezes nenhum) e quando se fala em Cinema de Guerrilha, os caras do meio audiovisual brasileiro surtam, eles não podem ouvir este nome, eles ignoram este nome, eles abominam este nome e o pior de tudo, são incapazes de entender o verdadeiro significado do nome (coloquei o link no nome, mas me sinto na obrigação de copiar o que se encontra no Wikipedia sobre Cinema de Guerrilha)

Vamos ver a definição de Cinema de Guerrilha (fonte: Wikipedia)

Cinema de Guerrilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Cinema de guerrilha é uma expressão utilizada para designar filmes de baixo ou nenhum orçamento, muito comum em países onde não há fomento adequado da produção audiovisual, que utiliza táticas de Guerrilha para produzir filmes com toda a qualidade possível livrando-se dos mecanismos engessadores da burocracia e/ou do cinema clássico de equipes grandes com vários níveis de hierarquias e formalismos.

Características do cinema de guerrilha:

  • Não visa o lucro
  • Desobediência às normas convencionais
  • Métodos de produção autorais não convencionais
  • Ações rápidas e surpreendentes
  • Flexibilidade de planejamento
  • Alta mobilidade
  • Utiliza-se recursos disponíveis nas locações
  • O trabalho é colaborativo
  • Demanda sentimento de pertença por parte da equipe (reduzida)
  • É dialético
  • Aplicável em todos os gêneros cinematográficos


O Diretor Paulino Moschen Fala Como Realizou a Direção de Arte Através da Técnica de Guerrilha

Será que os irmãozinhos obsessores do audiovisual conseguirão entender isso e assim conseguirão evoluir seus espiritos?

Será que tentar denegrir a imagem dos cineastas independentes os tornarão pessoas capacitadas a realizarem produções?

Será que se consegue ver o talento necessário para se realizar um filme de guerrilha de qualidade? (acredito que não, pois é preciso saber fazer para poder ver)

Será que vão parar de perguntar em qual país da América Latina lutamos e qual tipo de arma utilizamos para matar outros seres humanos?


Será que um ator mediocre tem condições de menosprezar um trabalho porque o mesmo é um filme de guerrilha? (talvez porque deseje que pensem que ele recebeu para estar ali, o valorizem e o chamem...)

Será?


Empresas de Todo o Brasil Que Apoiaram o Filme Acerto de Contas, Realizado Com Poucos Recursos


Por favor pessoal, grandes empresas hoje se utilizam do Marketing Viral, querem estratégia de guerrilha mais exemplar do que esta?

Se o Che bebia coca cola, fumava cigarro Malboro e ouvia Rock, feliz era ele. Acredito que hoje a estratégia dele seria diferente, no meio do século XX a realidade era outra, os pensamentos eram outros, os sonhos eram outros, então não nos cabe agora criticar um comunista que gostava de refrigerante capitalista, nos cabe sim, valorizar e respeitar o esforço alheio. Não concordo com os ideais do Che, muito menos com os ideais comunistas, mas uma coisa eu tenho que reconhecer, o cara acreditava no que fazia, fazia os outros acreditarem e morreu fazendo e os intectualóides de plantão fazem o que? Nada a não ser criticar, zombar e desrespeitar tudo o que eles NÃO são capazes de fazer. Fazer filme com dinheiro no bolso é muito bom, mas saber que se tem condição de se fazer um puta filme sem um centavo, é muito melhor!


Reconhecimento do Ator Anselmo Vasconcellos Sobre o Amor de Luiz Rangel Pela Realização

Talento não se compra, dom não se empresta e inteligencia não se dá, cada um nasce, adquire e desenvolve os seus próprios.

Ao longo de 10 anos de carreira produzi e co produzi mais de 50 filmes entre curtas, médias e longas metragens, TODOS em guerrilha, inclusive o Réquiem Para Laura Martin. Quem diz que a produção foi bem feita, que a tecnologia foi de ponta e que tudo correu bem,é porque não ralou e não participou da guerrilha para que tudo corresse bem, é aí que volto a afirmar, o que seria dos inuteis, incapacitados e covardes se não houvessem os heróis, bravos e guerrilheiros?
Era o Ano de 2005, A Camera Era Uma VX 1000 da Sony Sem Viewfinder Lateral, Não Se Tinha Dinheiro Para Um Monitor, O que Se Faz? Deita-se No Asfalto, isso é Cinema de Guerrilha!

Falar é fácil, difícil é fazer e isso não é pra qualquer um.

Tenho orgulho de cada filme de guerrilha que produzi, pois com eles pude mostrar do que sou capaz, mas agora segura, pois vou fazer com grana!

Acorda galera! Vamos respeitar para sermos respeitados.


Prefeito e Secretário de Cultura de Gramado Opinam Sobre o Trabalho de Luiz Rangel


Homengem Oferecida no III Curta Santos

Guerrilheiro do Cinema Sempre! Terrorista Cultural Jamais!

Um Abraço,

Luiz Rangel



quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Gramado/RS é Cenário de Cinema Para o Mundo!


Carta Feita Para Gramado no Lançamento do Curta Metragem Acerto de Contas 2006


Há quase 40 anos o municipio de Gramado no Rio Grande do Sul sedia um dos festivais que já foi considerado um dos mais importantes do mundo (devido a alguns fatores, infelizmente o Festival de Gramado deixou de ter a sua devida importância no meio dos festivais mundiais, felizmente temos crescendo a cada ano o Gramado Cine Vídeo que vem mostrando a sua importancia como festival na América Latina), o mais impressionante disso tudo é que raramente se pensou em Gramado para servir de cenário para filmes, só se pensou (pensava) em Gramado para servir de palco de filmes durante o Festival.

Réquiem Para Laura Martin, 100% Realizado em Gramado/RS- Abril de 2011

Há aproximadamente 10 anos venho através da minha empresa a LCR Imagem Produtora, produzido em Gramado, primeiro foram alguns curtas, depois médias e agora um longa metragem, longa este que tive o prazer de co produzir com a Inteligencia Audiovisual e Amazonas Filmes do estado de São Paulo.

Ana Paula Serpa Encarna Laura Martin


Luciano Szafir Fala No Ping Pong Do You Tube Cinema Sobre Réquiem Para Laura Martin

O resultado deste empreendimento foi "Réquiem Para Laura Martin", um filme que se resume na qualidade técnica, na criatividade e talento do co diretor e roteirista Paulo Duarte, na vontade de realizar e na fé que me foi depositada pelas empresas que estiveram juntas e apoiaram a realiazação do projeto.

Roteiro, Claquete e Café, Algumas das Ferramentas Indispensáveis no Cinema

Este filme teve em seu elenco um encontro de atores talentosos que são referencia na nossa dramaturgia e que muito acrescentaram sentimentalmente e artisticamente o projeto, um exemplo disso é o nosso Eterno Mestre Carlo Mossy.

Carlo Mossy e Luiz Rangel na Locação "A Casa do Maestro"

Luciano Szafir agrega o elenco e traz uma proposta maravilhosa para seu personagem Giuliano.

Luciano Szafir Passando Cena com Anselmo Vasconcellos

Anselmo Vasconcellos como "O Maestro" faz jus ao presente que foi dado a ele por Paulo Duarte, quando Paulo escreveu este personagem especialmente para o Anselmo, sabia que estava fazendo um grande personagem para um grande ator.

Paulo Duarte Co Diretor e Roteirista de Réquiem Para Laura Martin

Aos nossos querido diretor de arte Paulinho Moschen e a minha assistente de produção e direção Micheli Hayashi que realizou um trabalho maravilhoso como atriz, só me resta a agredecer por terem estado ao nosso lado desde a pré produção do filme.

Paulinho Moschen e Michelle Hayashi

Paulinho Domingues ao lado de Paulo Duarte deram o conceito na direção de fotografia que fez o resultado surpreender a todos.

Paulinho Domingues Co Diretor de Fotografia e Co Montador de Réquiem Para Laura Martin

Pepe e Rafa Chevs

E é a velha história, sem um som direto de qualidade, o filme jamais teria o brilho que possui, isso devemos a Rafa e Pepe Chevs, a rapaziada mandou muito bem não só na captação, mas na pós também.
Só tenho a agradecer a pessoa de Daniel Bertolucci, Secretário de Cultura de Gramado, que esteve ao meu lado pra tudo e muito ajudou e apoiou a realização deste projeto, me fornecendo não somente a sua amizade, mas também a institucionalidade que precisavamos.

Luiz Rangel e Daniel Bertolucci em Coletiva de Imprensa



A Ribamar Sant'Anna diretor da Pampas Viagens e Turismo que abraçou de forma incondicional este projeto, só temos a agradecer.

Ribamar Sant'Anna em Confraternização Durante as Filmagens de Réquiem Para Laura Martin

A Paulo Ortiz proprietário da Cantina Di Capo que sempre esteve abraçado aos nossos sonhos, objetivos, projetos e realizações.

Cantina Di Capo Apoia Produção de Réquiem Para Laura Martin

O que resta a dizer sobre Adriano Rebelo e Simone Rebelo da Ishirts Confecções que sempre está nos apoiando no que é preciso? Só que sem a sua amizade, companherismo e apoio não teriamos como realizar muitas coisas.

Uma das Cenas Que Mais Marcam a Trama

André Guerrero e toda a equipe da Thippos Hair que foram os maquiadores e cabeleireiros responsaveis pela maquiagem e cabelos dos personagens.

André Guerrero Preparando a Atriz Ana Paula Serpa em Cena na Funerária

Segue entrevista concedida pelo ator Anselmo Vasconcellos ao Canal Globo News exibido para todo o mundo através da Globo Sat.

Abaixo a lista dos apoiadores que sem eles é lógico, claro, óbvio e fato de que nada disso teria sido possivel:

Moschen & Ochôa móveis e estofados
Subsecretaria de Cultura de Gramado
Ishirts Confecções Profissionais

Cantina Di Capo
Torre Café Colonial

Thippos Hair
Pousada Sossego do Major

Hotel Sky
Chocolate Florybal

MG turismo
Cantina Tonet

Museu do Automóvel Hollywood Dreams
Funerária Santa Terezinha

Churrascaria Chama de Fogo

Restaurante Trattoria
Pousada Acácia Negra

Forest Decorações
Hotel Fazenda Pampas da Serra

Casa da Ovelha
Igreja São Pedro

Águia Água e Bebidas

Posto Kappes
Malhas Elaine
Mundo a Vapor

Domina Pijamas
Decoratta Enxovai
s
Terra Turismo
Pampas Viagens e Turismo

Maru Cosméticos
Sandálias Indaiá

West Coast
Cravo & Canela

Datelli
Ítalo Roldo
Centro Veterinário Barão do Amazonas

E saibam todos que mesmo marcando menos de 5° no termometro nos dias e noites que rodamos o filme, a temperatura humana e paixão pelo trabalho estavam queimando.

Luiz Rangel ao Lado do Fogão a Lenha na Locação "A Casa do Maestro"



Um forte abraço,



Luiz Rangel



Entrevista Com Parte do Elenco de Réquiem Para Laura Martin